PSIQUIATRIA

A palavra Psiquiatria tem origem no Grego e significa "arte de curar a alma".

É a especialidade da Medicina que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das diferentes manifestações do sofrimento mental.

QUANDO PROCURAR

      Frequentemente, os sintomas do sofrimento mental são negados até ao limite pelo próprio por (erradamente) serem considerados como um sinal de “fraqueza” ou pela ideia de que serão incompreendidos e estigmatizados pela sociedade.

      O alívio do sofrimento e a recuperação do bem-estar mental, são os principais objetivos da Psiquiatria. Para os alcançar é necessária uma avaliação sigilosa, global e integrativa do paciente avaliando as suas dimensões biológica, psicológica, social e de ordem cultural e religiosa.

      A depressão, o transtorno bipolar, a Esquizofrenia, os transtornos de ansiedade, as perturbações do comportamento alimentar e a demência encontram-se entre as múltiplas situações clínicas atendidas na Consulta de Psiquiatria.

     Existem duas modalidades principais de tratamento: a medicação e a psicoterapia.

      Os medicamentos psiquiátricos são parte importante do arsenal terapêutico do psiquiatra. Na actualidade, existem medicamentos eficazes, seguros, bem tolerados e que não causam dependência. O médico psiquiatra vai ouvir as suas preferências, receios e inseguranças acerca do tratamento e com base nisso melhor guiar o seu tratamento.

   A psicoterapia também faz parte das ferramentas terapêuticas do psiquiatra. Contudo, frequentemente, a Psiquiatria e a Psicologia trabalham complementarmente. Por este motivo, durante a consulta, o médico poderá propor o encaminhamento do seu caso para a Psicologia.

      Por fim, apesar de muitas doenças psiquiátricas ainda não terem cura, a Psiquiatria e a Psicologia podem diminuir o sofrimento psicológico e aumentar de forma significativa a qualidade de vida da pessoa, facilitando o seu rápido e eficaz retorno funcional em todas as áreas da vida.

IMG_20220320_084143-01.jpeg

Dr. João Protásio Fialho

     "Burnout" : a doença da actualidade que afecta um quarto da população

​      Num dia gosta-se do que se faz, no outro cai-se num abismo de apatia e sofrimento. A falta de organização, as más relações no trabalho e metas irrealistas são a chave para o burnout. O psiquiatra João Fialho fala da síndrome que virou doença ocupacional em 2022 e afecta um terço da população jovem.

      Exaustão física e mental, insónias, falta de ar, dificuldade de concentração e apatia que não desaparecem devido a uma actividade profissional exigente e stressante. Estes são alguns dos sintomas associados ao esgotamento profissional, mais recentemente denominado de burnout, a síndrome que passou a ser reconhecida oficialmente como doença do trabalho pela Organização Mundial de Saúde, no primeiro dia de 2022. O que é, quem afecta e como se cura? O psiquiatra João Fialho respondeu às questões do jornal "O MIRANTE" sobre um problema que afecta um terço dos jovens e 25% da população portuguesa.
      Para se entrar em burnout não tem necessariamente que se trabalhar horas a mais ou em demasia, começa por explicar o psiquiatra. “Trabalhos em que a pessoa está mais envolvida em termos emocionais e pessoais e onde acaba por dar mais de si” podem levar mais facilmente “a um estado de cansaço psicológico”. João Fialho sublinha ainda a ligação do burnout a deficiências na gestão e organização do trabalho, que geralmente acarretam mudanças constantes e repentinas, a falta de apoio na realização de tarefas ou tomadas de decisão e o mau relacionamento da pessoa com colegas, directores ou chefes.

       O termo "Burnout" surgiu nos anos 70 associado a profissões em que é necessário lidar com pessoas, como médicos, enfermeiros, professores, polícias e bombeiros estando actualmente alargado a todas as profissões. Em Portugal, afiança o especialista, tem-se reflectido de forma mais intensa nos últimos 30 anos desde que a vida da população “melhorou em termos sociais e económicos” mas que obrigou “a mudanças drásticas” e, de certo modo, “impositivas”. E a pandemia veio acentuar ainda mais o risco “porque as pessoas deixaram de ter aquilo que acham que precisam para viver bem socialmente”. O medo, o isolamento, o teletrabalho, a ausência de convívios entre famílias ou amigos, toda esta nova realidade – que se mantém desde 2020 –  leva João Fialho a arriscar “dizer que estamos a viver um burnout social”.

"Trabalhadores mais jovens são os mais afectados"
 

      De acordo com um estudo do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge, publicado em Outubro de 2020, “25% da população geral e 32% dos profissionais de saúde apresentavam sintomas de burnout”. Olhando para a parte da tabela que diz respeito à faixa etária mais baixa, percebe-se que os jovens entre os 18 e os 29 anos são os mais afectados, representando 31,8% da população que apresenta sintomas de burnout.
      Numa breve reflexão João Fialho considera que esta maior incidência nos jovens pode ser explicada pela precariedade na contratação, que se traduz em salários baixos,  contratos a recibos verdes ou através de estágios sucessivos. “A sociedade tem tratado muito mal os seus jovens e depois ainda se questiona do porquê de a natalidade continuar a baixar”, afirma.

 

"A paixão desmesurada pelo trabalho"
 

      Não será assim tão raro já nos termos cruzado ou ouvido falar de uma pessoa que é tão empenhada na sua actividade profissional que se esquece de ter vida pessoal. Essa paixão é geralmente vista como uma coisa boa por quem chefia, o problema surge quando “essa paixão não é partilhada e a pessoa se apercebe que está apaixonada sozinha”. Muitas vezes, sublinha João Fialho, “as pessoas mais esforçadas e com maiores capacidades de trabalho são discriminadas e alvo de inveja por parte das pessoas com quem trabalha”.
      Por vezes, o facto de um trabalhador “produzir mais que outros” faz com que estes últimos façam pressão para que trabalhe menos ou se “marginalize” esse trabalhador. Situações destas, explica, podem fazer com que a pessoa “chegue a uma situação profunda de esgotamento”, em que sente que “não tem mais nada para dar e sente mal-estar no seu local de trabalho”.
Para o especialista, um dos problemas maiores da sociedade portuguesa “é a falta de organização e de capacidade de gestão de pessoas” aliada à exigência de resultados financeiros a curto prazo. “Quando o trabalho é feito na base do improviso”, ou seja, quando não se dão as ferramentas necessárias aos trabalhadores e há uma falta de planeamento, há uma grande probabilidade de haver baixas pela síndrome associada ao trabalho.
      Pessoas que “trabalham para um objectivo e se sentem apoiadas e compreendidas pelos colegas e chefias” continuam motivadas, mesmo que o objectivo inicial falhe, acrescenta João Fialho. Recorrendo à experiência e tratamento de doentes que apresentavam sintomas depressivos associados ao trabalho, o psiquiatra, que dá consultas em Santarém, argumenta: “O burnout pode ser curado mas não é com medicamentos. Na maioria das vezes só se ultrapassa cortando-se o problema pela raiz” ou seja mudando-se de trabalho.